Inside

Blog

10 . Abril

Depois da Revolução Industrial, a Revolução Bauhaus

Em 1919, na pequena cidade de Weimar, Alemanha, surgia a Bauhaus. E neste mês de abril, a famosa universidade completou 100 anos. As influências na arquitetura, design e cultura são enormes – e algumas perduram até hoje. Não apenas pela sua história e importância na época, mas por sua filosofia.

Na época, havia uma barreira feita de arrogância entre artistas e os produtos de uso comercial. Uma cadeira, na visão das classes artísticas, jamais poderia ser vista como um objeto construído com conceitos da arte. Da mesma forma, os modelos industriais rejeitavam o planejamento, a forma e o conceito dos produtos.

Foi a Bauhaus, fundada por Walter Gropius, que promoveu o casamento entre forma e função. O design entrava no jogo, aproximando o público do produto ¬– e a produção de massa das necessidades humanas. E não parava por aí: a universidade inovou também nos métodos de ensino, aproximando o professor do aluno.

A didática horizontal foi um dos grandes desagrados do governo nazista, que terminou com a instituição em 1933, acusando-os de intelectuais comunistas. Assim como expoentes de outras áreas do conhecimento, o destino dos profissionais foi os Estados Unidos, que se tornava o reduto intelectual daqueles tempos.




A quebra de paradigmas e as influências ainda hoje



O estilo Nouveau estava bastante em voga no meio artístico, influenciando também a arquitetura até os anos 20. Com excesso de ornamentos, afastava e rejeitava produtos de massa.

Em paralelo, surgiam as primeiras grandes cidades como conhecemos hoje. O início do século 20 foi marcado por uma acelerada produção industrial, que provocou um fenômeno inédito: as pessoas passaram a viver nas cidades ao invés do campo. A medicina avançava e, com ela, a expectativa de vida. Combinado com um estilo de vida cada vez menos braçal, o boom populacional foi questão de tempo.

E com mais pessoas no mundo, mais produtos saindo das fábricas. Acontece que o conceito de design era incipiente na época, provocado pela resistência mútua que citamos acima.
Os adornos sem muita utilidade ou incremento aos produtos também não agradavam ambos. Para unir os conceitos de arte nos objetos do cotidiano, a Bauhaus precisou tirar enfeites sem sentido e focar no funcionalismo dos produtos.

Não tardou para ser um sucesso. Utilizando conceitos do modernismo, priorizando as formas geométricas e a adaptabilidade às necessidades humanas, os alemães extrapolaram o design de produto, influenciando arquitetura, tipografia e mesmo a própria arte.

O princípio era de que os projetos deviam ser totalmente funcionais e com modelos “repetíveis”, para produção em massa. O conceito, é claro, não agradava a todos. Oscar Niemayer, por exemplo, criticou duramente o fundador quando este visitou o Brasil como jurado de um prêmio em arquitetura. O brasileiro convidou o alemão para sua casa, construída em um terreno irregular, com curvas para um melhor contato com a natureza e outras nuances do arquiteto. Conta a história que Gropius cravou: “sua casa é bonita, mas não é multiplicável”. Indignado, Niemayer rememora o episódio em seu livro “O risco: Lucio Costa e a Utopia Moderna”: Mas que burrice fantástica! Era um terreno sinuoso, eu não podia procurar um terreno igual. Então você vê como eles pensavam errado, esse pessoal da Bauhaus. O Le Corbusier é que teve a coragem de dizer: ‘é mediocridade ativa, não sabem nada, só querem criar regras’.

De qualquer forma, o próprio Niemayer utilizou o conceito para criar Brasília. Assim como Steve Jobs usou no design da Apple. A Bauhaus é o design industrial capitalista quando o sistema atingia o ápice.

A máxima de que “a forma segue a função”, inaugurada pela escola e inspirada no modernismo, perdura no design até hoje. A rigidez das regras foi cada vez mais contestada – e é até descartada em inspirações menos comerciais. Mas é inegável que as formas lógicas, o uso de formatos curvos e, principalmente, como o usuário recebe o produto, influenciaram para sempre o modo como o design é feito e pensado.

Depois da Revolução Industrial, a Revolução Bauhaus | Pit Brand Inside